quinta-feira, 14 de abril de 2016

Deixa ser carne

Deixa o teu corpo
    Ser
       rio
              movimento
                                 companhia nos amanhecimentos de preguiça
esse corpo
que na solidão não se violenta
acorda sem correr no tempo
                                                       sente esse arrepio da sua presença
chegando pouco a pouco
que custa a acreditar que está de volta
Deixa ele falar a língua dos sutis e carnais
Esse corpo que não é só dor
Não repugne-o, toque-o
Essa voz que não reconheço é sua, não é?
deixe a música sair desse lugar desconhecido
                             desnudado
                                             Sem ser represa
                                               Ele é só rio
                                                                    E flui
                                                                             E dança
                                                                                               venta entre os braços
Levanta essa saia
 
                               rodopia
 
liberta os teus clichês mais perversos
O que desce das tuas entranhas não é mais sangue-cisto
 
                                          é vida
                                                          vibra
Se excita, sente o prazer encarnado
e sorri com os teus pêlos, seios, mãos, quadris e vagina
Deixa esse corpo viver, porque a morte
 
é estar preso
 
esteja nesse corpo, seja ele
Essa potência, essa fraqueza
                                         Respeite o presente dele, respire
Esse perfume é seu?
Esse corpo se abre em um rasgo de doença
Pequeno
                                                      Esse corpo de palavras para que serve?
Essa pele arrancada com faca, agora não é mais lagarta
Quer o casulo apenas para quando se cansar do cheiro das flores
Basta!
 
Liberte esse corpo do cárcere
das aparências
das ideias
dos caprichos
ergue a saia, mostra a calcinha, o umbigo, vai é tudo seu e para você
ele que mora
dentro e fora
da genética
                                da ancestralidade
                                   emociona
esse corpo que não se cala, mas que sempre foi surdo ao seus clamores
 

 
                                              dance em rodas, deem as mãos
                                                habita o teu deus
                                                      o teu sagrado
                                                       não verbal
                                                       deixe ele falar
 
parece ridículo assim dançando inteira?
E algemada era mais belo?
gestos, meus, impares, esse tesão irreversível
Delicados, obscenos, generosos
                                                     Vem cá...
                                                     De olhos fechados é mais fácil?
Tem coisas que nem sei não saber
porque fragmentou esse corpo-espírito e só transcende pra fora dele
                                                        ele que é leve, poderia te fazer voar.
Mas para isso, seja carne até o último gozo ou mais um choro
Sente mais um pouco
 
o seu girar
                                                             as suas mãos ciganas
Esse corpo memória
Não precisa ser só sacrifício
                                                               Onde tudo é uno
                                                             Onde faz chuva, faz sol
Que beleza é esta?
                                                     É desprazer com deleite
 
Cura-te com o excesso, beba mais esse gole de champagne
Mente fique aqui, mas seja consciência, porque eu também habito essa pele
Estou condenada a esse encontro
a fuga não é mais possível
a saúde pode chegar a qualquer momento esteja vestida
ou nua se preferir com seu amado
desmascara essa mente que te enfia farpas todos os dias
sou janela aberta para o mundo
ouço limites e cheiro voos
suas guerras, suas delicadezas
 
                                          reconexão, redenção, unidade
sem as cegueiras da mente
sou plenamente encarnada neste corpo-palavra
 
                                       O chão
 
                                   é meu céu de rodopios
 
                                                                       em flores que eu mesma cultivei.

Nenhum comentário:

Postar um comentário