quarta-feira, 13 de abril de 2016

Sexta-feira


Dimas e Gesta foram presos como ladrões, julgados e condenados à morte, sentença muito comum para os que desafiavam o poder.
Gesta, mesmo condenado, exigia a salvação. O ódio retorcia o rosto, a ironia escorria da boca e o desprezo pela mansidão que via era claro.
Dimas não era puro, mas ladrão também não era! No máximo, inconformado.
Lembre-se de mim – ouvi-o flertar com o nazareno durante a aflição.
Talvez não fosse tarde para o bom ladrão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário