sexta-feira, 6 de maio de 2016

Eu quero que você descubra, minha face, claro enigma, rito de passagem, você de partida, malas e livros, é o meu rosto que se despede, e nele que se pode ver esses pastos sem volta, os lugarejos mais longínquos, casas sem janela, o choro que colhe flores magníficas, em cada pedaço de minha pele, você toca com a mão, esse labirinto, um vaso de mundos, correntezas sem dor, esse chão batido, por onde um dia você belamente andou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário