quarta-feira, 18 de maio de 2016

uma prosa

carregava no bolso um grande               de silêncio.
                                                         buraco
media aproximadamente quatro por quatro.
nele cabiam quase 52 animais se dispostos como num vagão de trem às 18:32 de quinta,
mas somente fora do bolso.

dentro do bolso ocupava menos espaço
que uma nota fiscal amassada.

                   em verdade era quase um buraco
                                                                  de nada.
não fosse o silêncio que espalhava.

o silêncio pode se usado:
                                        para o bem
                                     e para o mal.
usava o silêncio para o bem.
                           e para o mal.
o que é quase
                         asfalto:
                                      uma grande inutilidade cinza.

pensa um benefício que o asfalto trouxe à sua vida.
não vale por extensão.
seu carro não é o seu corpo.
                                 seu carro não é o seu corpo.

(do que eu falava mesmo?)

ah, sim, o buraco de silêncio no bolso.
                                  o silêncio no bolso descalço.
descalço não o bolso, mas quem o carregava.
tirara os sapatos para se sentir mais confortável.

apreciava o silêncio a sua volta
(entre) o fogo e os gritos do
                              acidente que causara.
o cachorro, pelo menos,
                   continuava vivo.
espera, não sei se você entendeu o entre, até coloquei entre parênteses.
é mais ou menos assim:
           
                        fogo       (silêncio)      gritos

o que aconteceu você já deve ter entendido.

as pessoas fugiam do fogo aos berros,
                 mas se sentia estranhamente bem ali
perto do calor increpitante das chamas enferrujadas 
do seu automóvel prestes a explodir

o cão estava ao seu lado, no meio do silêncio

  fogo       (silêcãoncio)      gritos                       sirenes

e lhe fazia agradável companhia.

não mexia o focinho, então
                     de certo não latia
e carregava no
                        rosto?
                                  de cachorro 
uma expressão de espanto ou curiosidade 
que não sabia
                          mas era por não ouvir seu coração
o coração do silêncio.
não, perdão.
o coração no silêncio
                                      e seu próprio.

estendeu-lhe a mão
                            que cheirou com o frio focinho
                       tão pouco aquecido pelo calor da gasolina
e, menos desconfiado
            ou feliz
            ou só grato por sentir alguma qualquer coisa
            pôs-se a abanar o rabo
            no meio do silêncio

fogo (silêcãoabanandooraboncio) sirenes           gritos

homens de uniforme gesticulavam ferozmente para que saísse(m?) dali
os rostos desfigurados pelo desespero em suas bocas

e o cão
            impassível
                                como quem soltara o silêncio
cansado de abanar o rabo e
                                      cheio de vermes
                                      passa a arrastar o cu no asfalto
e, 
    se vendo também abundande em parasitas
quem 
           anulara o som
quem
           evitara o cão
quem
           se encontrava perto demais da urgente explosão
passa a arrastar no asfalto
                                   o rosto
                                  comido 
por dentro
                                               e
                                                                                  por fora 
pelo tempo
         sol
         som 
&      intempéries           
pelos cheiros
           berros
           risos
&        desalento                  

nada que faça tamanha diferença  
no momento em que seu nariz 
é amassado contra o chão acidentado
e sua pele é descascada
como batatas contra o ralador
                                     se batatas fossem carne 
e sua pele é raspada
como unhas contra a lixa
                                  se unhas fossem carne
e sua pele é moída
           como carne contra o moedor
se carne fosse alma

e como se tivessem ensaiado
giram 
                  em       sentidos      opostos
mas em sintonia
                                        o cu e o rosto
arrastados pelas patas
          traseiras
                           e 
                              dianteiras
respectivamente

as mãos coladas ao chão 
               condoídas ou sem escolha
perdem rapidamente a fina camada de pele
revelando músculos e o despontar do branco

espalha pelo asfalto a seiva de seu corpo
e sente o rosto deformado
                     ser reformado
pela pavimentação em contato com as sevandijas que poluem seu sangue
que o cão lambe com gosto
           sentindo fome
           e excitado pelo cheiro fresco
           de vida alimentar 

um uniforme se aproxima, alarmado, aflito
       sacudindo os braços
despertando do transe
os                    restos de vida
os                    descartes
os                    dejetos 
                                     da
                                          existência

chamando atenção às faces 
monstruosas
de quem 
      assistia a cena

ela.
       silenciosa.
                          sangrenta. 
enxerga os próprios olhos
                                no reflexo vermelho em suas mãos
decidida a expurgar-se dos demônios que gestava.

se                e                  em                ao 
     levanta    caminha        direção      fogo

seguida pelo buraco que a pertencia
e o cão que sentia piedade
                            ou ainda tinha o estômago vazio

entregam seus corpos 
                             à fogueira 
                                         em sacrfício

(silêexplosãoncio) sirenes grito gritos gritos gritos 
gritos gritos gritos gritos gritos gritos gritos gritos 
gritos gritos gritos gritos gritos gritos gritos gritos 
gritos gritos gritos gritos gritos gritos gritos gritos 
gritos gritos gritos gritos gritos gritos gritos gritos 
gritos gritos gritos gritos gritos gritos gritos gritos 
gritos gritos gritos gritos gritos gritos gritos gritos 
gritos gritos gritos gritos gritos gritos gritos gritos 
gritos gritos gritos gritos gritos gritos gritos gritos 
gritos gritos gritos gritos gritos gritos gritos gritos 
gritos gritos gritos gritos gritos gritos gritos gritos

Nenhum comentário:

Postar um comentário